30 de mar de 2009

Senha


De tempos em tempos sou obrigada a trocar a senha do meu e-mail do trabalho. Medida de segurança. Mas como isso acontece com muita freqüência e eu não posso repetir nem colocar nada fácil de ser descoberto, acabo tendo que pensar em coisas realmente relevantes para não esquecer.
Um dia isso aconteceu numa sexta. Eu pensei em algo ultra, mega blaster relevante, alterei a senha, confirmei e o dia se passou. O fim de semana também passou e, na segunda seguinte, quem diz que eu lembro das palavrinhas mágicas.
Caramba, o que foi mesmo que eu coloquei? Nome do cachorro, nome do bofe da vez, aniversário do avô, meu aniversário, México, Madureira, Ronaldo9, tudo. Esgotei todas as possiblilidades. Que estranho, eu sempre lembro dessas coisas. Mas é muita coisa, muito número para a pessoa memorizar, o que foi que eu coloquei? Desisto.
Chamei “o cara dos computers” e pedi socorro. Mas Flavia, você tem certeza que não lembra? Vou ter que pedir para me mandarem isso de Nova Iorque. Multinacional é foda para essas coisas. Faz um esforço aí. Já fiz. Todos. Peloamordedeus contrata um hacker, lê meus e-mails se for o caso, mas quebra essa. Ok.
Depois do almoço eu estou na minha mesa e ele me liga morrendo de rir. Que foi? Flá, você não lembra mesmo qual é a sua senha? Não, cacildis. Já falei. Meu, você é muito figura. Por que? Fala logo. Anota aí: rodrigosantoro.
Gente, como é que eu fui esquecer?

21 de mar de 2009

Eles estão entre nós


Você acaba de voltar de viagem, maravilhada com Paris. Ele pergunta: você foi para Paris? Conheceu o Museu do Abajour? Você responde: Não, nesse eu não fui. Então ele tasca: Putz, que pena. Você perdeu o melhor de Paris.
Mas não precisa ir tão longe. Se você tivesse ido para Piraporinha do Norte, ele diria: Ah, você devia ter ido há uns 6 anos, quando ainda não tinha energia elétrica. Agora não é mais tão legal.
Você está de viagem marcada para qualquer lugar. Não importa qual. Sempre será o pior em que ele já esteve na vida. Ele vai te dar mil motivos para cancelar a viagem ou para ter muito cuidado com a água, com os estranhos, para não ser sequestrada nem roubada. Se você for para o exterior, ele vai te avisar pra ficar muito esperto com o que fala na imigração porque um amigo dele foi deportado assim, do nada.
Você compra uma TV de plasma. Ele fala: Por que não comprou uma LCD? E vice-versa. Hello! Isso vai sair de linha logo. E eu vi uma igual a sua, muito mais barata nas Casas Bahia. Perdeu, grana. Não quero te dizer nada.
Você está com tosse, pede indicação de um médico. Ele ouve e vem te contar que uma tia teve uma coisa parecida e se fodeu, porque descobriu que era grave, ficou anos se tratando, mas não resistiu. Normalmente, em caso de doença, o prazer está em descrever a infecção, a cor da secreção, a aparência da ferida.
Tenho certeza que você conhece gente assim. Homens, mulheres, é sempre o mesmo tipo de pessoa que faz esse tipo de comentário. Mas por educação a gente releva, não fala nada nem dá aquele toque de que isso é extremamente indelicado.
Por que estes desmancha-prazeres dos infernos não calam a boca? Por que este bando de gente chata do caralho tem que estar justamente perto de gente bacana como nós? É sempre aquele: no seu lugar eu faria, acho que você deveria, se eu fosse você. Graças a deus e a todos os santos da Bahia você não é como eu, meu bem. Agora, toma teu rumo e me deixa em paz, por gentileza.

PS: Mudando de assunto: você já tinha reparado na "brasilidade" do template do meu blog? Eu não.

16 de mar de 2009

8 de mar de 2009

Contradizer-se, que luxo.


Esta frase não é minha, mas deveria. Dizem que é do Jean Cocteau mas como quem diz é o Google, nunca saberemos ao certo. Ando feliz por mudar de idéia em relação a coisas e pessoas.
Um dia encontrei esta foto (clica que vale à pena ver maior). Acho completamente feliz mas tenho vontade de chorar sempre que vejo. Sempre digo que esta vai ser a minha casa e as tiazinhas sentadas, minhas poucas e melhores amigas da vida. A escalação de velhinhas já mudou algumas vezes mas o importante é que, toda vez que tento fazer a legenda e dar nomes, vejo que faltam pelo menos 5 cadeiras para acomodar todas. Já há algum tempo ela é assim, da esquerda para a direita: Adriana, Poli, Lu Cani, Patricia, Marilu (em pé), eu (de vermelho, com o colar branco) e Lísia. O cachorro no chão é o Gato e o velhinho espiando por cima do muro é o Roger Bundt, que vai ser meu vizinho.
Ainda é cedo. A Cláudia, a Daniela, a Pri, a Alice, a Cris, a Sandra, a Re e a Kikita ainda não chegaram. E deve ter mais gente pintando por aí. Com certeza têm mais cadeiras guardadas em algum lugar. Acho que vi uma perto do regador. Pega lá, Marilu. Você que é mais nova. Alguém aceita mais uma taça de Guaraná Champagne?

7 de mar de 2009

Um ser humano mostra o quanto é estúpido quando


Tem preconceito racial.
Se corta com papel.
Faz alguém sofrer.
Vota no Maluf.
Dá dinheiro para a igreja.
Dá bronca no garçon.
Tem medo de viajar sozinho.
Coloca botox.
Chuta o pé da cama com o dedinho.
Desrespeita um amigo.
Conta a vida no nick do msn.
Dá aqueles malditos nozinhos na sacola do supermercado.
Não publica os comentários negativos que deixam no seu blog.

Esqueci alguma?