17 de jan de 2011

Quem amou bate aqui


Valeu cada centavo. E não foram poucos. Não vou nem entrar no mérito do evento com produção mixuruca e telões bagaceiros para ingressos tão caros. Vou entrar no mérito da Amy. E ela foi foda. Exatamente do jeito que eu imaginava que seria. Pouco à vontade com gente demais, insegura e procurando a cumplicidade da banda ao final de cada música. Com os olhos cheios de lágrimas em alguns momentos. E eu em quase todos.
Tinha horas em que eu me perguntava: isso é playback? Lógico que não era. Toda aquela voz sai mesmo daquela caixa torácica minúscula, de uma criaturinha frágil e, agora, exageradamente peituda. Exagerada, não. Intensa é a palavra pra falar dela. O que fazia parecer playback é um show daquele tipo acontecer no lugar errado. Amy merecia um ambiente menor, com um som à altura da ótima banda que ela trouxe e onde ela pudesse se sentir mais confortável do que no Anhembi bombando. E, de preferência, com gente mais bacana assistindo.
Não páro de ler e ouvir gente falando mal do show. E só posso lamentar que estas pessoas não tenham entendido nada. Ela é antisocial, não gosta de multidão nem fica bajulando platéia. Pelo contrário: se um fã chegar querendo abraçar e ficar perto demais ela retribui com um sonoro soco na cara. O que as pessoas queriam num show da Amy? Um microfoninho apontado pra platéia e um “agora é com vocês” em português decorado? Erraram de show, meus amores. E agora vão ficar descendo a lenha numa das poucas pessoas autênticas que a gente teve a oportunidade de ver ao vivo.
Eu, que só gosto de música de gente morta ou que já está no bico do corvo, fico realmente animada por ser contemporânea de alguém como ela. Que erra, se expõe, se droga, cai, levanta, aumenta o peito, perde o dente. E canta muito. Ela é um pontinho topetudo no meio de um mundo de celebridades politicamente corretas, que se casam virgens, são vegetarianas e contam tudo o que fazem no twitter.
Mil vezes ir num show de alguém que você nem sabe se vai ter condições de chegar, a ouvir as súplicas de um cantor de rock’n roll para ajudar os golfinhos e as baleias. Se eu quisesse ouvir falar de golfinho, ia numa palestra do projeto Tamar, meu amigo. Canta aí e não enche o saco.
Mas canta com a alma. Como a Amy.

15 comentários:

Anônimo disse...

Acabei de ler um texto a respeito dela no blog do Forastieri.

http://noticias.r7.com/blogs/andre-forastieri/2011/01/08/amy-winehouse-de-mentira-e-de-verdade/

Amy não é minha praia. Não curto mas gostei da analise dele (da personagem, não do show). Já q vc escreveu a respeito, taí a dica.

bjs

Tiago disse...

Adorei o texto! Tenho minhas críticas ao show, claro, mas elas também envolvem mais a produção ruim que a Amy em si. Não sei o que as pessoas foram esperando ver/ouvir, mas pelo que eu tenho lido por aí, certamente foi gente que conhece muito pouco da Amy. Esses poderiam ter ficado em casa mesmo, não ia fazer diferença alguma.

Renato Medeiros (Maceió) disse...

Aiai, AMO cada post seu. E nem sei porquê. Você escreve tão simples, tão direto, tão normal como se tivesse falando comigo aqui sentada na cadeira ao lado. Enfim, venho aqui sem pretensões, leio textos despretenciosos e saio feliz, dizendo: "meo, que garota foda. como ela consegue escrever assim?"

Gi disse...

Que alívio ler alguém falando bem. Queria ter ido e tenho certeza que adoraria. Concordo com o Renato. Seus textos são um papo na varanda com um amigo na cadeira ao lado.
bjbj



Gi

gera disse...

hahaha

vem correndo, pega impulso e bate (pá)

e cai... tipo um por cima do outro kkkk

gera disse...

e nem posso falar mal pq tenho rabo preso com quase todos os patrocinadoriiis. abafa

Anônimo disse...

Não fui no show, mas amei seu post!
Depois reclama.
Bjsssss

Vitor Simon disse...

É isso aí. São os artistas de verdade, como suas esquisitices, que estão em extinção. São eles que precisam ser salvos, muito mais do que os golfinhos.

vejetariana disse...

estou de muito mal-humor

Bia disse...

Nossa, concordo 100%. Amei o show, pura emoção. Quem não gostou queria que a Amy jogasse pra platéia ou cantasse musicas alegrinhas. A vida é foda e ela tá aí pra dizer isso. Amo a Amy Winehouse.

Marilu disse...

O show dela em Sp foi lucro... eu vi um dvd em que ela chega no palco e diz para o público: "A minha voz tá rouca hoje, vocês se importam se eu apenas tocar guitarra?". E ela toca guitarra o show inteiro, sem abrir a boca nem pra suspirar. É tão gênio, que eu pagaria pra ver isso acontecer. Adoro esses factóides.

Eduardo Di Lascio disse...

Bota os pé pra cima! Tira as mãos do chão!

Flavia Coradini disse...

Renato, fiquei tão feliz com seu comentário que acho até que vou escrever mais. bjs e obrigada

Anderson disse...

Discordo do seu pensamento. Amy foi vaiada devido ao seu comportamento "distraído" em um show em Dubai, justamente o contrário do que aconteceu por aqui. Ninguém nega que ela é uma das maiores artistas de todos os tempos. Entretanto, desrepeita a sua própria arte. Você cogita a possibilidade dela fazer shows mais intimistas, por nao gostar do grande público. Tivesse interesse nisso, ela poderia mudar os rumos de sua carreira, e cobrando ainda mais caro por isso. Pagariam por essa obra prima, tenho certeza. Mas não o faz. Quanto a se mostrar como é, não se diferencia das outras ditas celebridades atuais, não. Os tabloides estão repletos de noticias sobre aqueles que bebem, caem, perdem dentes e ao seu público, a exemplo de grandes idolos como Paul Maccartney, Mick Jagger, o falecido e excentrico Michael Jackson e a dita rainha do pop Madonna. Por enquanto, Amy merecem, sim, as vaias que tem tomado.

Adri disse...

Muito Prazer! Acompanhei o seu blog por um bom tempo (o qual achei através de outros)e sempre adorei!! Parei de acompanhar (não lembro o porque) e agora li através do facebook o que vc escreveu sobre a Pri! Lindo! Parabéns pelo post e pelo blog!
Sou a mais nova prima "adquirida" da Pri e adorei saber que vcs são amigas!E adorei poder relembrar do seu blog e de "re"acompanhá-la novamente!
Ahhh resolvi deixar um comentário neste post porque penso e bravegei a todos exatamente o que vc escreveu sobre a Amy (e ninguém concordou comigo :-( ) e tb pois acho que o post sobre a Pri é só de vcs mesmo!! ;-)
bjs