17 de mai de 2009

A grande revelação


Eu tinha 8 anos (afe, faz tempo), saí pela porta dos fundos da minha casa, lá no Rio Grande do Sul, e dei de cara com o Luck. Luck era o meu cachorro pastor alemão (in memorian), que estava sentado no sol, aparentemente bem, mas com um ferimento assustador. Voltei para dentro de casa gritando, desesperada.
Mãe, o Luck tá muito machucado. Vem aqui peloamordedeus. Minha mãe largou o que estava fazendo e veio atrás de mim. Quando saímos pela porta e ela viu o que eu tinha visto, pareceu muito menos preocupada do que deveria. Afinal, o pinto do meu cachorro estava maior do que o habitual e em carne viva. Eu já estava chorando muito e pensando que daquela ele não escaparia. Mas minha mãe me tranquilizou (na época, com trema). Flavia, calma. Ele não está machucado. Ele está assim porque quer namorar.
O que? A criatura está agonizando, com o pinto em carne viva e ela me diz uma coisa dessas. Só pode ser mentira. Ela quer que tudo pareça simples mas ele vai morrer. As lágrimas brotavam dos meus olhos. Foi então que ela foi até o quarto e voltou com uma cara de pânico e um livrinho nas mãos. Me entregou o livro, cuja capa está ali em cima e disse. Eu vou fazer as unhas e já volto. Dá uma lida neste livro e depois a gente conversa. E pirulitou.
Eu li e não podia acreditar. De longe, foi o livro que mais me chocou na vida. Não é possível. Ok, os bichos fazem isso mas meus pais não. Meus tios não. Meus avós paternos tiveram 7 filhos, os maternos 9. Eu tenho 2 irmãos e uns 40 primos. Isso significa que todos fizeram isso e não foi uma vez só. Como assim? Não pode ser verdade. Depois disso eu ficava olhando para eles nos almoços de família, a nuvenzinha de pensamento dos gibis da turma da Mônica se formava e não desaparecia. Eu não queria imaginar aquilo. Por que?
Eu contava para minhas amigas e ninguém acreditava em mim. Eu sabia de uma coisa muito grave e não podia dividir com ninguém.
Foi assim que eu descobri como nascem os bebês. E foi assim que minha mãe me deu esta preciosa lição: na falta de psicologia infantil, tasca um livrinho e desaparece. Já.

10 de mai de 2009

Oficina de Jezebel


Quando uma criatura não tem nada para fazer, é capaz das coisas mais bizarras e inúteis do mundo. Tão ruins que se tornam do caralho.
Você já ouviu falar de um cara chamado Gustavo Martins? Nem eu, até sexta-feira, quando me contaram de uma pesquisa totalmente inútil e hilária que o pilantra fez. Primeiro achei que era mentira mas depois vi que ele já deu entrevista sobre isso no programa de rádio do Pânico (para você ter uma idéia do naipe).
Mesmo sabendo que seria um trabalho idiota, que não chegaria a lugar algum, ele passou 6 meses pesquisando sobre as rimas mais manjadas e clichês da música brasileira para um trabalho de conclusão do curso de jornalismo. Escolheu as 500 músicas que mais tocavam nas rádios entre 2001 e 2005, tabelou as rimas até descobrir as que mais se repetiam.
O resultado: assim/mim (que se repete em 58 músicas), paixão/coração, dizer/você, amor/dor, caminho/sozinho, sorriso/paraíso até chegar em tesão/decepção. Achou pouco? Então olha a minha parte preferida desta história: o guri teve a manha de perceber que, se você trocar a palavra AMOR por AVÔ, a música continua rimando e fazendo sentido. Outro sentido, completamente diferente, mas faz. Eu fiquei horas tentando lembrar de outras além destas, que me fizeram rolar de rir:
O seu avô é canibal, comeu meu coração e agora sou feliz.
Meu avô, se você for embora, sabe lá o que será de mim.
Adocica, meu avô, adocica.
Avô da minha vida, daqui até a eternidade.
Quero um avô maior, um avô maior que eu. (rarararara)
É o avôôôô que mexe com a minha cabeça e me deixa assim.
Vem, meu avô me tirar da solidão, vem meu avô me tirar da solidão.
Meu avô, nosso avô estava escrito nas estrelas.
Ah, se tu soubesses como eu sou tão carinhoso e o muito, muito que te quero, e como é sincero o meu avô, eu sei que tu não fugirias mais de mim.
Avô, I love you. Avô, I love you.
O avô é fogo que arde sem se ver (isso se ele já morreu, é claro)

O mesmo amigo que me contou esta história também tem uma descoberta deste nível de importância: ele percebeu que qualquer música (qualquer uma, do Hino Nacional até qualquer coisa balbuciada pelo Carlinhos Brown) pode ser cantada no ritmo de Coração de Estudante. Mas não dá para escrever sobre isso. Escolha uma aleatoriamente e cantarole você mesmo. Funciona.

2 de mai de 2009

Sobre prosecco, homens e GPS


Ok. Eu já tinha bebido algumas taças de prosecco com as amigas quando elaborei esta teoria. Ninguém precisa concordar com ela mas ontem fez um sentido enorme e hoje continua fazendo (acho). Apenas acompanhem meu raciocínio.
A maioria das mulheres que eu conheço não tem senso de direção. Eu sou o tipo de pessoa que não sabe sair do prédio do dentista. Por onde é mesmo? Mesmo com mapa da mão, dou um jeito de me perder para chegar nos lugares. Com o tempo, descobri que meu caso é tão grave que, se eu tiver certeza de que tenho que ir para a direita, viro para a esquerda. E adivinhem: era para a esquerda. Quando faço o contrário do que me parece o certo, aí é que eu acerto.
Continuando: a maioria das mulheres que eu conheço também não entende os homens. A praticidade deles não faz sentido com a nossa mania de analisar tudo. Então vamos à minha teoria (finalmente, mas eu tinha que explicar): toda vez que você entender que o que um cara te falou quer dizer alguma coisa, acredite, mas quer dizer exatamente o contrário. Como esquerda e direita. Se você ficar encanada porque acha que ele quis dizer A, pode ter certeza que ele quis dizer B. E digo mais: normalmente ele não quer dizer nada. Nem A nem B. Ele quer dizer só o que disse, literalmente, e é uma perda de tempo tentar achar que tem alguma coisa para ficar subentendida. Isso é coisa de mulher.
A vida poderia vir com uma espécie de GPS que nos diz para que lado virar o tempo todo. Mas não teria tanta graça porque a gente passaria por ela no piloto automático, sem prestar atenção nos pontos de referência, nas ruas sem saída nem no caminho. Esta teoria ajuda, mas acho que vale mais à pena continuar se perdendo e se achando. Sempre vai ter o equivalente a um posto de gasolina ou um ponto de táxi onde a gente pode parar, perguntar e se perder de novo.
Afe. Prosecco me deixa bem louca.