21 de ago de 2012

A velha calça desbotada ou coisa assim

Você atende o telefone e as pessoas perguntam: que vozinha é essa? Está tudo bem?
Você tira os óculos de sol e as pessoas reparam: ué, que carinha é essa?
Você vai almoçar e alguém diz: que pratinho… Você não está comendo nada.
Você anda pela rua e a amiga afirma: você emagreceu. Nossa, que fininha.
Tristeza é uma merda. Não tem como disfarçar e eu, sinceramente, nem tento.
Acontece que, se por um lado você definha, por outro encontra certas compensações. Se emagreci como estão dizendo pode ser que agora caiba naquele jeans que eu amava e não me servia desde 2009. Será?
Você vai correndo até o armário, encontra “O Jeans” lá no fundo, esquecido. Enfia a primeira perna sem ter certeza se vai rolar, a segunda, vê que ele passa facinho pelos quadris, puxa o zíper, fecha o botão e é invadida por uma sensação unicamente incrível. Um feixe de luz entra pela janela, Os Pequenos Cantores de Viena no auge dos seus agudos viram trilha sonora, uma brisa surge do nada e agita suavemente seus cabelos, borboletas amarelas voam na sua órbita, tudo em câmera lenta, lógico. Serviu.
Então você sai de casa esboçando o primeiro sorrisinho espontâneo em semanas. E o primeiro amigo com alguma intimidade que encontra, comenta com cara de demônio: o que aconteceu com você? Que bundinha é essa?
Não resolve nada. Mas ajuda pacas.

Ah, importante. A ilustração ali de cima é do Millôr :)

13 comentários:

Vitor Simon disse...

Não importa se é pelo jeans. O importante é te ver feliz.

Gi disse...

a-do-rei.
não fique tanto tempo sem escrever.

bjbj

Gi

Mariana Ferrari disse...

Muito bom, você é demais te amo nega isso caiu pra mim hoje como uma luva quem sabe nas proximas semanas "como um jeans" rsrsrs

marta matui disse...

Acontece que estar triste hoje em dia é proibido. Para não ficar triste as pessoas bebem e ficam loucas. Drogas sim, tristeza de jeito nenhum. Eu penso o contrário, penso que essa alegria toda que vejo nas fotos das baladas é falsa. Não me enganam nem um pouco. Acho que se entristecer é normal. E se alegrar também. Mas viver triste ou viver alegre, o tempo todo, é doentio.

Lu disse...

hehe - o bom é que a tristeza passa e os quilinhos predidos não voltam - acontece comigo esse ano! bjs

Planeta Cupcake disse...

Se eu fico triste, nem meu jeans novo me serve, eu encontro na comida a compensação.
Mas se você voltou a sorrir, eu fico feliz também!
Beijo,
Vivi Bochi

Anônimo disse...


O velho e ressequido ditado:
há males que vem para o bem.


beijo guria querida, magra ou gorda, bem ou mal.
lili

Renatinha disse...

Estava com saudades... Se o jeans coube direitinho, a bundinha está de pé, a felicidade vem com o tempo, nas coisas simples... rs beijos
Re

Anônimo disse...

Sorte sua. Me afundo nos doces nos tempos de tristeza. A alegria chega, se depara com os quilos a mais e quase desiste de mim...

Que alegria encontrar novidade no blog!

gera disse...

fato

Luís Gustavo Brito Dias disse...

Hahahahaha
Pena que esses posts são em doses mensais. Essas crônicas do cotidiano são demais.

Grande abraço, Flavia.

Claudia Anahí disse...

Ameiiii!!! Vergonha de escrever???? Arrasa minha nega que o verbo é todo teu! bjs

Mirna disse...

É sempre bom estar gostando de ler, mesmo que você não quer ler, é sempre necessário fazê-lo eu sempre que tenho algum tempo eu começo a ler, mesmo que este tipo de blogs, enquanto eu estou esperando a minha comida em restaurantes de Tatuape