23 de set de 2008

Banheiro Feminino

Este foi um dos temas do papo com as amigas no fim de semana. Qual o propósito da tal curiosidade em torno do banheiro feminino? Não entendo e nem conheço nenhuma mulher que tenha ficado imaginando o contrário: humm, olha aqueles dois caras entrando juntos no banheiro. O que será que eles fazem lá dentro? Da nossa parte, pode acreditar, ir com uma amiga ao banheiro não passa de comodismo. Já que você vai eu também vou. O motivo é o óbvio: xixi ou maquilagem. Pronto. Desculpe se destruí um mito mas não passa disso. Para falar bem a verdade, até acontecem mais coisas num banheiro feminino mas a gente não costuma contar porque é bem escatológico. Não é para manter o mistério. É vergonha alheia mesmo. Banheiro feminino é normalmente um nojo. A mulherada em geral detona e não está nem aí. Os homens erram a mira. As mulheres erram todo o resto. Fazem questão de deixar tudo (sim, eu disse tudo) espalhado pelo chão e fingem que desconhecem aquele misterioso botãozinho chamado descarga.
Outra coisa que sempre tem em banheiros femininos é alguém vomitando ou alguém chorando. E quanto mais alegre deveria ser a balada, mais gente chorando tem. Banheiro de carnaval e de reveillon é um rio de lágrimas, interditado por gente com o rímel escorrendo. E uma dica: nunca, em hipótese nenhuma, pergunte por que uma mulher está chorando no banheiro. Ela pode ficar agressiva e te botar os cachorros. Ou pode fazer pior: decidir te contar porque está chorando e te manter naquele ambiente fétido por muito mais tempo do que você merece. Coisa que as torneiras automáticas e os secadores de mão que nunca funcionam já costumam fazer muito bem.
Já vi toda sorte de bizarrices em banheiros femininos: da patricinha que me instruiu a mentalizar que a cor da transmutação é lilás, sempre que eu estivesse passando por uma situação difícil até a mulher linda, que todo mundo estava paquerando no bar minutos antes, flagrada lavando o sovaco na pia (falei que ia destruir mitos). Já vi uma que estava na minha frente na fila mas não pôde esperar e fez tudo ali mesmo, deixando a sua calça jeans clarinha gradualmente mais escura. Ju-ro. Vi duas amigas super legais e divertidas jogando o cesto de lixo cheio para dentro da baia da outra. Ou seja: cada uma jogou um cesto cheio de papéis sujos na cabeça da amiga. Fofo, né? E tem a famosa história que eu sempre conto da mina que falou: meu cabelo está tão sem volume, jogou a cabeleira para baixo e enfiou a testa na pia com direito a efeitos sonoros de um episódio do Chaves.
Vai por mim: quando bater a tal curiosidade, esquece. Nem queira saber.

10 comentários:

Gi disse...

Menina,
vi um mulher dando bafão no banheiro do La Tartine sexta à noite. Até lá, que deveria ser um lugar calmo, rola dessas.

Adorei a pancada na pia. rsrsrs

Anônimo disse...

Concordo, banheiro feminino é muito mais bizarro que o masculino. Chega a passar a vontade de fazer xixi dependendo do que a gente encontra. Eca.

Anônimo disse...

Sem falar na fofoca: "Afinal, o que você achou dele? Gatinho, né?"

Anônimo disse...

cara, vc eh genia... saudade ja, bjs

man in the box disse...

rs

realmente

no masculino, fora tiro-ao-álvaro com pipi, nada de interessante acontece

Pequena Russa disse...

muito bom. saudades

zecarlos disse...

Credo, e eu que entrava no banheiro feminino quando a fila estava muito longa. nunca mais.

eduardo disse...

genia!!!
K d vc
Saudades
bj

Anônimo disse...

HAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHA!!!!!
A testa na pia foi foda!

Luccas Jones disse...

~medo.

No masculino tem um clima pesado, é super estranho, auhauas.